Fundação Mário Soares

Em São Bento, junto à escadaria do Parlamento, encontra-se um fragmento do legado de Mário Soares, que morreu no passado dia 7 de janeiro. A fotografia do antigo Presidente da República na dianteira denuncia a localização da Fundação Mário Soares, uma instituição de direito privado, de utilidade pública e sem fins lucrativos que se dedica à preservação da memória e à sua dinamização dentro e fora de fronteiras.

Foi constituída a 12 de setembro de 1991, poucos meses depois do início do segundo mandato enquanto Presidente da República, mas só viria a desenvolver atividades arquivísticas e culturais mais ativas a partir da saída de Soares do Palácio de Belém.

Na cerimónia de inauguração, a 4 de junho de 1996, Mário Soares salientava o papel unicamente cultural da Fundação. “Uma obra feita por amor à cultura, à história e à formação dos portugueses”, referia.

O que começou por ser um projeto de forma a disponibilizar a documentação privada de Mário Soares durante o processo de democratização do país acabou por se tornar um espaço de reunião para vários espólios nacionais e internacionais.

Foi o aglomerar de pedaços fulcrais da História contemporânea de Portugal, bem como do passado das antigas colónias portuguesas, que culminou no alargamento do espaço de intervenção desta fundação.

A disponibilização dos documentos ao público em geral e à comunidade de investigadores é um dos pontos de honra. O culto da memória, das origens e a partilha da história comum com a comunidade de países de língua portuguesa, um dos principais objetivos que a fundação mantém.

Num momento óbvio de transição e mudança, com a morte daquele que a pensou e orientou durante tantos anos, olhamos para esta instituição e para o trabalho que tem desenvolvido ao longo dos últimos anos. O futuro, esse, está ainda a ser pensado e estudado:

1. “Tivemos medo, mas ele não teve”
2. A recolha “aldeia a aldeia”
3. “Não é chegar lá e fazer umas digitalizações”
4. Memória comum e política externa “clara”
5. O Portal Casa Comum
6. Documentos disponíveis e “bem tratados”
7. O futuro da Fundação

Fonte e mais informações: https://www.rtp.pt/noticias/cultura/mario-soares-o-legado-que-fica-em-forma-de-arquivo_es981933

Share