Biblioteca de Mafra

Parece que anda toda a gente a pensar em nós. Depois de entrarmos em todas as listas do mundo sobre destinos imperdíveis em 2017, sem esquecer as distinções a aeroportos, restaurantes e até artistas portugueses, agora é a vez das bibliotecas. Segundo o jornal britânico “The Telegraph”, a Biblioteca Joanina, na Universidade de Coimbra, e a Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra, em Mafra, são duas das 16 bibliotecas mais espetaculares do mundo.

Diz o dicionário que “biblioteca” é uma sala ou edifício onde está um conjunto de livros, manuscritos, entre outros, possuídos por um particular ou destinados à leitura pública. Que descrição tão aborrecida. Há bibliotecas que são tão maravilhosas que vão muito além do espólio que contêm. Autênticas obras do barroco português ou com paredes decoradas com varetas de madeira, com telhados de ferro ou num mosteiro budista, há locais verdadeiramente maravilhosos pelo mundo.

Sem desprimor por todas as bibliotecas nesta lista, as nossas são as mais bonitas. Conheça-as.

A Biblioteca Joanina, na Universidade de Coimbra

Começamos pela Biblioteca Joanina, na Universidade de Coimbra, cuja história remonta a 1717. Considerada uma das bibliotecas barrocas mais originais da Europa, a obra ficou a cargo de João Carvalho Ferreira. Lá dentro, o pintor António Simões Ribeiro executou os frescos dos tetos, o dourador Manuel da Silva tratou de forrar as estantes a folha de ouro. Um trabalho inacreditável.

A biblioteca é composta por três pisos, o Piso Nobre, Intermédio e a Prisão Académica, que recebeu este nome porque de 1773 até 1834 foi o local de clausura dos estudantes. Atualmente, a Biblioteca Joanina abre a cada 20 minutos, sendo permitido um máximo 60 pessoas de cada vez. Consoante o programa de visita, os bilhetes normais variam entre 2€ e 12€.

A Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra, em Mafra

Chão de mármore rosa, cinzento e branco, estantes em estilo de rococó, livros com encadernações em couro gravadas a ouro. É assim na Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra, que pertence ao palácio mandado construir em 1717 por D. João V. Com 88 metros de comprimento e uma planta em cruz, além de impressionar pela arquitetura tem um espólio invejável — incluindo uma segunda edição de “Os Lusíadas” e uma Bula concedida pelo Papa Bento XIV em 1754.

A entrada na biblioteca é gratuita e acontece em todos os dias úteis das 9h30 às 13h30 e das 14 às 16 horas.

Fonte e mais informações: http://nit.pt/out-of-town/back-in-town/ha-duas-bibliotecas-portuguesas-na-lista-das-bonitas-do-mundo

Share