Partindo da compilação e cruzamento de vários registos – paroquiais (baptismos, casamentos e óbitos), emissão de passaportes, encomendas de fotografias, cartas de condução, entre outros – o Arquivo Municipal de Albergaria-a-Velha está a proceder a um trabalho de inventariação das famílias do município. O objectivo? “Permitir que os cidadãos encontrem informações e fotografias dos seus antepassados e criar bases de dados para futuros estudos e investigações, nas mais variadas áreas, promovendo o estudo da história local”, destaca Delfim Bismarck, vereador do pelouro da Cultura da câmara municipal de Albergaria-a-Velha.

“Por força da emigração, há munícipes que não conhecem os seus avós e bisavós e este inventário irá ajudá-los”, exemplifica o vereador, ao mesmo tempo que assevera que “o número de pessoas que têm vindo a contactar o arquivo nesse sentido é crescente” – o portal daquele serviço já conta com 2055 utilizadores, que fizeram mais de 54 mil consultas desde a sua criação.

Segundo Delfim Bismarck, que é também historiador e genealogista, este projecto é “único no país” – pela quantidade e variedade dos registos levantados – mas já “começa a ser feito em vários pontos do estrangeiro”. Para o sucesso deste trabalho muito têm contribuído, segundo o autarca, as doações de registos históricos ao Arquivo Municipal.

De acordo com as estimativas do vereador da Cultura, dentro de “meia dúzia de anos, a maioria da população de Albergaria-a-Velha já deverá estar cadastrada”, ou seja, “com grande parte do trabalho do projeto já concluído”.

Fonte e mais informações: https://www.publico.pt/2017/11/24/local/noticia/albergariaavelha-quer-fazer-a-arvore-geneologica-dos-seus-municipes-1793814/amp

Share